Lilypie - Memorial

Lilypie - Kids Birthday

...

domingo, Outubro 26, 2014

Conversas...

 Conversas entre mãe e filho:

- Filho se não te portas em condições ficas de castigo sem computador e sem tablet
- Oh... Não faz mal...
- Não faz mal?! Então? Queres arriscar?
- oh mãe, mas continuo a ter-te a ti!

Com 9 anos e tão sabidolas... E la fiquei eu com um sorriso no rosto, é demais este meu filho ♥

terça-feira, Outubro 21, 2014

Ontem...

... Houve festa no Céu...

E eu ouvi vezes sem conta a "nossa" música.

8 meses passaram desde a tua partida, parece que foi ontem que te senti nascer para te ver partir...

Acredito que, lá no sítio onde os Anjos como tu moram, sejas e estejas feliz, é este pensamento que me faz avançar nos dias.

Amo-te tanto minha filha, tanto!

terça-feira, Outubro 14, 2014

E Agora ?...

O que foi feito de ti
Eras perfeita em mim
Será que foste tentar encontrar
Que te foste libertar
Esperei tanto por ti
E caiu-me um manto em mim
Será que te perdeste a caminhar
Ou foi só para me castigar
E agora, será que te perdi,
O que será de mim, sem ti...

Ai Jú.... que é de mim sem ti agora fofitis?...
Amo-te daqui até ao Ceú e mais além princesa...



sábado, Outubro 11, 2014

E é assim...

...Nos momentos que mais sinto necessidade da tua presença mostras-te sempre...

Hoje desejei um momento nosso, no nosso lugar. A seguir a uma euforia (hoje fiz pump e step no ginásio e foi muito divertido) fico sempre numa angústia e tristeza descomunal. Acho que devo ter desenvolvido alguma bipolaridade com a tua partida.

Como estava a dizer, hoje desejei um momento nosso, no nosso lugar. Já lá não ia desde o verão, desde que fizeram aquele bar da praia. Deixei de ir porque não conseguia estar sozinha, sem barulho, sem eventualmente ser observada.

Passei de carro e o bar estava fechado. Ninguém por ali, apenas um casal de namorados que estava longe. Parei. Saí do carro para ver um mar imenso, escuro... o Ceú trazia um prenúncio de tempestade e nada de gaivotas.

Sentei-me e cresceu ainda mais em mim a angústia e o desejo insano de te ter no colo, de te ver, beijar, cheirar e abraçar. Um desejo insano de te ter no peito, com a boquita agarrada à minha mama.

Sentei-me no "nosso" muro, onde tantas vezes contemplava o mar e to descrevia, onde sonhei acordada, onde te senti tantas e tantas vezes e "conversávamos".

Contemplei o mar e o céu vazios e não contive as lágrimas. Doi ainda tanto sabes? Eu sei que sabes.

Fiquei parada uns minutos sozinha naquele muro que é o nosso e onde deverias estar comigo hoje. Quis-te ainda mais perto e não via gaivotas a voar e comecei a pensar que associar pássaros a voar contigo era uma ideia tonta minha.

Coloquei a nossa música a tocar... gosto tanto dela! Não posso ouvir todos os dias porque as lágrimas insistem em correr quando a oiço.  E pronto, de repente apareceram 2 gaivotas a voar lado a lado e depois outras tantas e mais ainda!

Hoje confirmei que és tu, sempre foste tu. E dei por mim a sorrir e a olhar para aquela linda dança das gaivotas e senti-te tão perto, tão perto!

Que ninguém diga que partiste... o teu corpo morreu mas tu...tu, minha filha, estás sempre comigo. Amo-te daqui até ao Céu e mais além Jú

sexta-feira, Outubro 10, 2014

3.4 em cada 1000...

....3.4 em cada 1000 parece pouco não é?

3.4 em cada 1000 é o valor de 2013.... é um valor estatístico que parece baixo não é?

Mas... Continuará a parecer baixo se falarmos que são 3.4 bebés em cada 1000 gestações de 28 ou mais semanas que nascem mortos?

E se juntarmos os bebés a partir das 22 semanas? Sabia que passam a ser 4.2 bebés em cada 1000 que nascem mortos? Sim! Estatisticamente são feitos 4.2 funerais em cada 1000 bebés que nascem! 4.2 famílias destroçadas em cada 1000 famílias que têm bebés! 

E se juntarmos as perdas que ocorrem antes das 22 semanas? Qual será o número? Nem existem estatísticas... e porque não fazem estatísticas? Provavelmente porque o cenário é tão negro que preferem enterrar a cabeça na areia e fazer de conta que não existe!


Mas... e se para si continuar a parecer pouco porque não se pergunta a si mesmo o que aconteceria se fosse a si que acontecesse?

Também gostaria que lhe relativisassem a dor e que lhe dissessem que foi melhor assim que nascer deficiente? ou deixa lá... podes ter mais filhos?! ou outra coisa qualquer do género?

As mulheres não podem continuar a ter que sofrer 3 perdas ou 1 perda fetal tardia para que se façam estudos. É desumano e cruel! 

Nós não perdemos uma gravidez, nós perdemos filhos! Eu perdi a minha filha, a Júlia, linda, perfeita, com quase 39 semanas de gestação!

Não a vou esquecer, nem vou deixar que se esqueçam que o luto por uma perda gestacional em qualquer trimestre de gravidez existe e tem que ser respeitado!



Tenho dito!